domingo, 22 de outubro de 2084

Professor

     "Ensinar é um exercício de imortalidade. De alguma forma continuamos a viver naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da nossa palavra. O professor, assim, não morre jamais." 

Rubem Alves

domingo, 9 de dezembro de 2018

Tempo decorrido após a eliminação da LC sem que Rui Vitória tenha sido despedido


quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Contextualização de 'O Ano da Morte de Ricardo Reis'

https://pt.slideshare.net/CarvalhoCC/contextualizao-histrico-literria-o-ano-da-morte-de-ricardo-reis

https://pt.slideshare.net/CarvalhoCC/contextualizao-histrico-literria-o-ano-da-morte-de-ricardo-reis-77044819

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

A (mini) notícia com mais erros do mundo


     O Exame certamente reprovaria num exame escrito.

     Vamos à lista?

     1.º) A palavra site é um empréstimo, logo deveria ser motivo de destaque (itálico ou aspas).

     2.º) Aquela vírgula a seguir ao GN "os jornais" na realidade está a separar o sujeito do correspondente predicado. Será que a pontuação se alterou entretanto, ou esta é uma daquelas falhas básicas?

     3.º) Folha é o nome de uma publicação brasileira, pelo que deveria vir, também, destacada no texto.

     4.º) "(...) vão ao encontro às suas(...)"? Que calamidade é esta? Como se não bastasse a habitual confusão entre "ir ao encontro de" e "ir de encontro a", agora temos uma variação bem criativa: "ir ao encontro a". Fantástico!

A concordância do sujeito com o verbo


     Já sabemos que a gramática da língua portuguesa não é coisa para amadores, porém há erros que são incompreensíveis, independentemente da pessoa que os cometa. Quando estamos a falar da imprensa, a coisa atinge foros de escândalo.

     Se o sujeito da frase é "A equipa de cheerleaders da Coreia do Norte", por que carga de água o verbo está conjugado no plural?

     Por outro lado, o escrivão da notícia ignora também o facto de cheerleaders ser um empréstimo, pelo que necessita de ser destacado na frase - a itálico ou através de aspas.

     Como diria Maria Flor Pedroso, assim se escreve mau português.

O seu carro pode ser "hackeado"


     A notícia pode ser encontrada aqui [Observador].

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Na aula (XXXIII): humor de um bolinha

     Sabes qual é o super-herói preferido dos gordos?
     É o supermercado.
João C.

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Descobertos os primeiros fósseis de placodontes em Portugal


     Foram descobertos em Loulé por paleontólogos da Universidade Nova de Lisboa os primeiros fósseis, em território português, de placodontes.
     Estes animais eram répteis aquáticos que viveram durante o período triásico, aproximadamente entre 250 e 200 milhões de anos, altura em que se extinguiram, em águas pouco profundas. O triásico foi o primeiro período da era mesozóica, época em que os continentes estiveram juntos num supercontinente (Pangeia) e em que os dinossauros surgiram e se espalharam pelo planeta, diversificando-se.
     Os placodontes tinham uma alimentação à base de moluscos. Fisicamente, eram constituídos por placas ósseas - "osteodermes" - que lhes davam uma aparência semelhante à das tartarugas e possuíam uma forma hexagonal, plana, alongada e sem ornamentação da carapaça, não possuindo dentes.
     A descoberta ocorreu em 2016 e 2017, nos concelhos de Loulé e Silves, mas só agora foi divulgada junto do grande público. O estudo que dá conta dela pode ser encontrado aqui [estudo].

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

"Descalça vai pera a fonte"


§ Tema: a mulher / beleza feminina.


§ Estrutura interna

D Mote (tese) - Apresentação de Lianor:
® é localizada a caminho da fonte;
® é caracterizada física  -  "fermosa"
                              e
                 psicologicamente  -  "não segura"

D Voltas (confirmação da tese) - Desenvolvimento:
® da caracterização física:
                            ì "branca"
. adjectivação      í "fermosa"
                            ï "linda"
                            î "graciosa"

                                                 ì "mãos de prata"                ü
. metáforas í "cabelos de ouro"             ý preciosidade
                       î "chove nela graça tanta"   þ

. figuras de estilo                        ì "mais branca que a neve pura"
. hipérboles  í "dá graça à formosura"
                         î "tão linda que o mundo espanta"

. comparação: "Mais branca que a neve pura"

. superlativação   | "tão linda"
                            | "graça tanta"

. vestuário  -  cor  ¾¾  branco: pureza
                              ¾¾  vermelho: paixão, alegria

® da caracterização psicológica: "não segura" (insegurança)
- caminhar com o pote na cabeça > insegurança > encontro com o amigo
                                                           (desequilíbrio)
- da beleza (ser ou não apreciada)?
- do encontro com o namorado (pode não encontrá-lo)?
- dos seus sentimentos?
         De notar a alternância entre os aspectos objectivos e subjectivos do retrato, de forma a transmitir a impressão que o sujeito colhe da imagem de Lianor.



§ Estrutura narrativa

 Espaço: ambiente campestre, rural, bucólico ("verdura", "fonte").

 Tempo: presente  -  momento em que o sujeito observa a mulher.

 Acção: caminhar para a fonte  -  "vai pera a fonte".

 Personagem: Lianor.



§ Recursos estilísticos

         A descrição da beleza e graciosidade de Lianor é feita através dos seguintes recursos:

         1. Nível fónico

. Métrica: redondilha maior (versos de 7 sílabas)  -  medida velha.

. Rima  - ABB / CDCCBB;
             - emparelhada e interpolada;
             - consoante ("verdura" / "segura");
             - rica ("verdura" / "segura") e pobre ("prata" / "escarlata");
             - grave ("verdura" / "segura").
j
. Aliteração em v.

. Alternância de sons abertos (ó, á), sugestivos de vitalidade, e fechados (ô, u) e nasais (on, an).

. Transporte: vv. 1-2, 15-16.


         2. Nível morfossintáctico

. Expressividade do substantivo graça, dos adjectivos linda, branca e pura.

. Substantivos:
fonte     | ambiente
verdura |
pausa        |
neve          | retrato físico
ouro          |
encarnado |
graça       | retrato psicológico
formosura      |

. Adjectivação: fermosa; (não) segura (exposta às ciladas do amor); branca; pura; linda.

. Orações consecutivas:         "que o mundo espanta";
                                            "que dá graça à fermosura".

. Alternância entre orações coordenadas e subordinadas.

. Expressividade do verbo chover, com valor transitivo e sentido hiperbólico: a graça era tão evidente e abundante como a chuva.

. Advérbios tanta, não.


         3. Nível semântico

. Personificação: "tão linda que o mundo espanta".

. Metáforas: "mãos de prata, "cabelos de ouro"  ®  fazem ressaltar a brancura das mãos e os cabelos louros, características do tipo da mulher clássica;
                     "chove nela graça tanta".

. Hipérboles: "mais branca que a neve pura";
"tão linda que o mundo espanta";
"chove nela graça tanta
 que dá graça à fermosura".

. Comparação: "mais branca que a neve pura".

. Diminutivos: sainho, vasquinha  ®  sugerem a ideia de carinho e simpatia do sujeito pela mulher, o encantamento daquele face à beleza e graciosidade desta.

. Associação de cores (o vermelho do vestuário, o branco da pela e o loiro dos cabelos) para sugerir a alegria, a pureza e a perfeição de Lianor, respectivamente.

. As peças de vestuário e os objectos que transporta, em si graciosos, que o sujeito poético pretende transferir  -  a graciosidade  -  para Lianor.

. Trocadilho: "Chove nela graça tanta / Que dá graça à fermosura".



§ Mulher retratada: a mulher clássica, petrarquista, cujo retrato incide mais sobre a beleza psicológica e menos sobre a física.


§ Classificação: vilancete  ®  forma poético-musical composta a partir dum mote
                                                 curto (2 ou 3 versos), tradicional, geralmente alheio, que introduz o tema. De início, este mote era tirado duma canção popular-vilã e a ele cabia, em exclusivo, a designação de vilancete, que depois passou a atribuir-se a todo o poema. A seguir ao mote existem as voltas ou glosas, compostas por 7 versos, que desenvolvem o tema introduzido pelo mote. A glosa divide-se em cabeça (os primeiros 4 versos) e cauda (os restantes 3). O último verso da cabeça rima com o primeiro da cauda, fazendo assim a ligação entre ambas; os dois últimos versos da cauda rimam com os dois últimos versos do mote, e o último deste é, no vilancete perfeito, integralmente repetido no último verso da cauda.



§ Influências  -  Intertextualidade

         § Petrarca (inovações renascentistas):
- caracterização da mulher (física e psicológica);
- caracterização predominantemente psicológica e só aparentemente física.

§ A utilização do trocadilho, da hipérbole e do jogo de conceitos e ambiguidades, como recursos do engenho poético (também existentes na endecha "Aquela cativa"), coloca, em certa medida, Camões como precursor da poesia cultista e conceptista do século XVII.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...